terça-feira, 10 de julho de 2012

Informe-se e reaja imediatamente contra as ameaças à vida humana. Amanhã pode ser tarde.


Luis,
Quando pensamos que já vimos de tudo, o governo brasileiro nos surpreende – mais uma vez – com notícias absurdas.
Depois do anteprojeto do novo Código Penal, a última é que o Ministério da Saúde deverá dispensar, a partir deste mês, a exigência de receita médica para a entrega de pílula do dia seguinte nos postos do SUS.
Ou seja, o Sistema de Saúde vai distribuir pílulas que matam!!!
Nesse filme você verá a denúncia do que vem por aí, num governo que, para ser eleito, prometeu não fazer nada em favor do aborto.
A justificativa para autorizar a pílula sem receita é a de que “não faz sentido exigir que a mulher aguarde uma consulta médica, pois isso pode colocar em risco a eficácia do uso do remédio”.
Aqui, peço licença para fazer uma observação: este remédio abortivo provoca uma descamação do útero, impedindo a implantação do ovo fecundado. Por isso, ele não terá eficácia no caso do ovo já estar implantado, o que costuma ocorrer depois de algumas horas e até três dias após a concepção – daí a pressa do governo em dispensar a receita e acelerar o processo abortivo.
Como você pôde perceber, essa declaração dada pelo secretário de Assistência à Saúde, Helvécio Guimarães, deixa ainda mais evidente a posição pró-aborto do atual governo brasileiro.
Governo esse que usa de subterfúgios para justificar o ato criminoso de distribuir um remédio que pode levar à morte um embrião recém-concebido.
Como defensores da vida, somos totalmente contrários a qualquer medida que impeça a gravidez ou o início dela.
Prova de que essa orientação é mais uma medida para apoiar o aborto por meios tortos foi dada novamente pelo secretário de Assistência à Saúde.
Preste atenção no que ele disse:
“Em alguns locais, a pílula já é fornecida sem exigência da receita, por um profissional que não é médico. Queremos padronizar essa prática”.
Então, ao invés de tentar inibir a distribuição do remédio que, como ele afirma, pode até ser adquirido sem receita, o governo quer padronizar essa prática imoral e assassina?
Não podemos de forma nenhuma nos curvar a isso.
Por isso, peço-lhe novamente:
Se você ainda não assistiu ao filme “Diga Não à Cultura da Morte”, assista-o.
Bem documentado, ele explica algumas manobras do governo brasileiro para permitir o aborto em nosso país. Um Governo que se elegeu prometendo respeitar a vida.
Embora não trate diretamente da liberação dessa pílula assassina, ela deixa bem claro ao presidente do Congresso Nacional que somos contrários a qualquer medida que atente contra a vida humana.
Precisamos nos unir, para cobrar do Governo que cumpra suas promessas de campanha. E que saibam que não somos tolos.
Se vivemos em um país de regime democrático, de fato, a maioria precisa ser ouvida, coisa que infelizmente não vem acontecendo.
Em 2010, a rede pública de saúde distribuiu 513 mil pílulas do dia seguinte. Em 2011, esse número saltou para 770 mil.
Isto significa que quase UM MILHÃO de novas vidas podem ter sido sacrificadas, sem contar com os bebês inocentes e indefesos que foram abortados.
Este assustador número não pode continuar crescendo.
Atenciosamente,
Mario Navarro da Costa
Diretor de Campanhas do
Instituto Plinio Corrêa de Oliveira
www.ipco.org.br


Divulgação:

http://cultura-calvinista.blogspot.com

http://metodologiadoestudo.blogspot.com

http://direitoreformacional.blogspot.com

http://biologiareformacional.blogspot.com  


VÍDEOS INTELIGENTES:

http://academiaemdebate.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário